19 Anos
Mais de 400 Clientes

Variedade > Economia

Fonte: Sputnik Brasil | Imagem: © AFP 2018 / GREG BAKER | Link Notícia

28/11/2018

Macau quer parcerias com empresas brasileiras que desejam entrar na China

O governo de Macau comunicou nesta segunda-feira (26) que tem a intenção de incentivar parcerias entre empresas do Brasil, Portugal e Macau para realizarem operações no interior da China.

Informações compartilhadas Sputnik Brasil

A declaração foi dada pelo secretário de Economia e Finanças de Macau, Leong Vai Tac, durante o primeiro dia de debate na Assembleia Legislativa das Linhas de Ação Governativa (LAG) para 2019 e publicada pela Agência Lusa.

Ele disse que o Governo quer "incentivar o estabelecimento de parcerias entre pequenas e médias empresas" de Portugal, Brasil e Macau para "entrarem e desenvolverem atividades comerciais no Interior da China".

Em entrevista à Sputnik Brasil, Túlio Cariello, gerente de Análises e Pesquisas do Conselho Empresarial Brasil-China, comemorou a declaração.

"Existe uma série de interesses nessas regiões que podem ser benéficas para países lusófonos como Brasil e Portugal", disse.

Para o próximo ano, Leong Vai Tac afirmou que pretende intensificar a cooperação econômica e comercial em três eixos. "Brasil-América Latina, Portugal-União Europeia, Angola e Moçambique-África, para apoiar os parceiros a expandirem as suas redes de cooperação de dois sentidos até à União Europeia, à América Latina e aos países africanos".

Túlio Cariello explicou também que comercializar através de Macau "traz certas facilidades", como por exemplo, o acesso à internet irrestrito, diferente do que acontece na China.

"O fato deles terem uma liberdade maior em relação a China Continental não exime o fato de que eles estão sob controle de Pequim. A grande facilidade de Macau é justamente essa maior liberdade e autonomia que facilitaria uma série de negócios e o apelo à origem lusófona", destacou.

O saldo comercial (US$ 20,166 bilhões) e as exportações brasileiras para a China (US$ 47,488 bilhões) chegaram a bater recorde no ano passado. Túlio Cariello disse que a China vem utilizando Macau como "entreposto comercial" para os países lusófonos.

"Esse esforço da China em transformar Macau em uma região que tem justamente esse apelo lusófono é algo muito recente e que está sendo desenvolvido ainda, mas eu vejo isso como uma atitude muito positiva do governo chinês e que sem dúvida pode trazer uma série de negócios para os dois lados", completou.



Notícias Relacionadas
Dólar fecha quase estável após leilão do BC

Economia

Dólar fecha quase estável após leilão do BC

Inflação do aluguel acumula taxa de 7,78% em 12 meses, diz FGV

Economia

Inflação do aluguel acumula taxa de 7,78% em 12 meses, diz FGV

Caixa começa a chamar candidatos aprovados no concurso de 2014

Economia

Caixa começa a chamar candidatos aprovados no concurso de 2014

Rodrigo Moledo desfalca o Internacional por três semanas

Esporte

Rodrigo Moledo desfalca o Internacional por três semanas