19 Anos
Mais de 400 Clientes

Variedade > Politica

Fonte: Sputnik Brasil | Imagem: Bruno Itan/GERJ | Link Notícia

27/02/2019

Cabral assume que recebeu propina pela primeira vez em depoimento na Justiça Federal

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral admitiu nesta terça-feira (26), pela primeira vez oficialmente, o recebimento de propina ao longo de sua carreira política. Ele prestou depoimento nesta terça-feira perante o juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal.

Informações compartilhadas Sputnik Brasil

Perguntado por Bretas por que havia mudado de ideia, Cabral respondeu que a decisão foi fruto de reflexões feitas durante todo o tempo em que está preso. "Dois anos e três meses preso, conversando comigo e [com] minha consciência, tudo o que minha família tem passado. Em nome da minha família e da história, resolvi falar a verdade."

Em seguida, Bretas perguntou sobre a Operação Fatura Exposta, que investigou o pagamento de propinas na área da saúde, incluindo o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), na época dirigido pelo médico Sergio Côrtes, que foi secretário estadual de Saúde de 2007 a 2013, no governo de Cabral.

"Sérgio Côrtes [eu] conheci em 2004 no Senado. Em 2006, Côrtes era coordenador do Into. Antes de assumir, eu fiz a primeira ação grave para um chefe de Estado. Apresentei o [empresário] Arthur Soares. Ele havia me ajudado em campanhas em caixa 2. Eu disse ao Côrtes que íamos combinar uma propina: '3% para mim e 2% para você'. O Côrtes se sentiu muito à vontade para me introduzir [apresentar] o Miguel Iskin [empresário da área de equipamentos médicos, também condenado por corrupção]."

O juiz Marcelo Bretas pediu a Cabral que detalhasse como funcionava o grupo político em sua administração, e o ex- governador respondeu: "Tinha o Regis Fichtner, que cuidava da parte técnica. Ele é um homem rico hoje. O Carlos Miranda tinha uma promessa de eu dar US$ 7 milhões. O Fichtner era responsável pelo arcabouço jurídico.  Recebia propinas, assim como o Côrtes."

Ele citou ainda o então vice-governador e secretário de Obras, Luiz Fernando Pezão, entre os que recebiam propinas."Para o Pezão, eram cerca de R$ 150 mil por mês. O Eduardo Paes, como meu secretário de Esportes, jamais recebeu benefícios. Mas recebeu doações do Iskin e do Arthur Soares para sua campanha [à prefeitura do Rio de Janeiro]."



Notícias Relacionadas
Grêmio perde para o Ceará e é o vice-lanterna do Campeonato Brasileiro

Esporte

Grêmio perde para o Ceará e é o vice-lanterna do Campeonato Brasileiro

Inter vence a segunda seguida no Brasileirão e deixa CSA na zona de rebaixamento

Esporte

Inter vence a segunda seguida no Brasileirão e deixa CSA na zona de rebaixamento

Na estreia de Luxemburgo, Vasco cede empate ao Avaí nos acréscimos e continua na lanterna

Esporte

Na estreia de Luxemburgo, Vasco cede empate ao Avaí nos acréscimos e continua na lanterna

Bolsonaro comemora entrada de empresa aérea europeia no Brasil

Politica

Bolsonaro comemora entrada de empresa aérea europeia no Brasil