19 Anos
Mais de 400 Clientes

Variedade > Politica

Fonte: Sputnik Brasil | Imagem: Bruno Itan/GERJ | Link Notícia

27/02/2019

Cabral assume que recebeu propina pela primeira vez em depoimento na Justiça Federal

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral admitiu nesta terça-feira (26), pela primeira vez oficialmente, o recebimento de propina ao longo de sua carreira política. Ele prestou depoimento nesta terça-feira perante o juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal.

Informações compartilhadas Sputnik Brasil

Perguntado por Bretas por que havia mudado de ideia, Cabral respondeu que a decisão foi fruto de reflexões feitas durante todo o tempo em que está preso. "Dois anos e três meses preso, conversando comigo e [com] minha consciência, tudo o que minha família tem passado. Em nome da minha família e da história, resolvi falar a verdade."

Em seguida, Bretas perguntou sobre a Operação Fatura Exposta, que investigou o pagamento de propinas na área da saúde, incluindo o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), na época dirigido pelo médico Sergio Côrtes, que foi secretário estadual de Saúde de 2007 a 2013, no governo de Cabral.

"Sérgio Côrtes [eu] conheci em 2004 no Senado. Em 2006, Côrtes era coordenador do Into. Antes de assumir, eu fiz a primeira ação grave para um chefe de Estado. Apresentei o [empresário] Arthur Soares. Ele havia me ajudado em campanhas em caixa 2. Eu disse ao Côrtes que íamos combinar uma propina: '3% para mim e 2% para você'. O Côrtes se sentiu muito à vontade para me introduzir [apresentar] o Miguel Iskin [empresário da área de equipamentos médicos, também condenado por corrupção]."

O juiz Marcelo Bretas pediu a Cabral que detalhasse como funcionava o grupo político em sua administração, e o ex- governador respondeu: "Tinha o Regis Fichtner, que cuidava da parte técnica. Ele é um homem rico hoje. O Carlos Miranda tinha uma promessa de eu dar US$ 7 milhões. O Fichtner era responsável pelo arcabouço jurídico.  Recebia propinas, assim como o Côrtes."

Ele citou ainda o então vice-governador e secretário de Obras, Luiz Fernando Pezão, entre os que recebiam propinas."Para o Pezão, eram cerca de R$ 150 mil por mês. O Eduardo Paes, como meu secretário de Esportes, jamais recebeu benefícios. Mas recebeu doações do Iskin e do Arthur Soares para sua campanha [à prefeitura do Rio de Janeiro]."



Notícias Relacionadas
Em treino, Tite esboça escalação da Seleção Brasileira para partida contra o Panamá

Esporte

Em treino, Tite esboça escalação da Seleção Brasileira para partida contra o Panamá

Gabriel decide, Flamengo bate Madureira e está na semifinal da Taça Rio

Esporte

Gabriel decide, Flamengo bate Madureira e está na semifinal da Taça Rio

Dana White renova contrato e vai comandar o UFC por mais sete anos

Esporte

Dana White renova contrato e vai comandar o UFC por mais sete anos

Após novo apagão, Venezuela corre para restabelecer energia em vários estados do país

Mundo

Após novo apagão, Venezuela corre para restabelecer energia em vários estados do país